Da prateleira para casa num clique – Por Pedro Marcilio

Se até pouco tempo comprar pela internet assustava, hoje essa prática superou os medos, virou uma prática do dia a dia e tende a crescer muito mais principalmente no Brasil. Com a rápida evolução da tecnologia que trouxe agilidade e segurança, e a chegada firme dos smartphones, entre outras evoluções, o comércio digital se tornou muito seguro e o medo passou. Da prateleira para casa agora basta só um clique!

Saiba mais sobre novos hábitos de compra do consumidor!

Nos Estados Unidos o comércio eletrônico já atingiu a marca dos 107 bilhões de dólares em vendas (2017) e a tendência para 2018 é manter o crescimento na ordem de dois dígitos (12%), segundo levantamentos realizados pela Adobe Digital Insights.

Dos shoppings ao e-commerce

Os grandes varejistas aumentaram suas receitas no comércio virtual nos Estados Unidos duas vezes mais rápido que outros varejistas em 2017.

O aumento da participação das vendas online no total do faturamento e do número de vendas das grandes lojas acompanha a tendência de migração das grandes redes dos shoppings físicos para os e-commerce. Segundo o Credit Suisse, pasmem: até 2022, 25% dos shoppings centers dos EUA devem fechar.

No Brasil, talvez não tão rápido, mas não será diferente. A curva de “spending” (compras) acompanha essa tendência de importância no comercio eletrônico já chegando em 2017 atingir a casa dos 48 bilhões de reais de faturamento com um ticket médio de R$ 429,00 e apontando para cima em 2018.

Leia também: Depois da tempestade vem sempre o dilúvio

No Brasil

Veja os interessantes resultados do estudo realizado pela MindMiners (empresa de tecnologia especializada em soluções digitais de pesquisa) em junho de 2017, com o total de 1.000 respondentes:

#1 Compras online têm a mesma penetração nas gerações X e Y.

#2 A geração X compra pelo celular.

#3 E-commerce também para produtos perecíveis.

#4 Redes sociais como fontes de referências.

#5 A tecnologia vem substituindo o papel do vendedor.

#6 A primeira compra não acontece necessariamente na loja física.

#7 A loja física ainda cumpre um papel importante.

#8 A experiência no e-commerce ainda é problemática.

A pesquisa constatou que a compra online já é mais do que uma realidade para o brasileiro. Entretanto, isso não significa que a experiência hoje oferecida pelos e-commerce é satisfatória. Muito pelo contrário, tem que melhorar muito ainda. Por outro lado, o desejo de passar a comprar ainda mais, aproveitando a praticidade e as vantagens de preço oferecidas por esse tipo de plataforma é latente e cada vez maior.

Dentre as demandas, os alimentos aparecem como o item mais desejado. Uma oportunidade que exige também uma reestruturação das áreas de logística e atendimento e a adoção de tecnologias que sejam capazes de garantir a qualidade dos produtos, o cumprimento dos prazos e a redução dos custos de entrega/frete.

Pois é, isso muda tudo. Um novo perfil de consumidor é observado, um novo comportamento de compras é adotado, uma nova realidade comercial é estabelecida o que nos leva a concluir que novas práticas de vendas, marketing e comunicação têm que ser adotadas sob risco o trem da tecnologia passar e você não embarcar. Se liga!

 

Pedro L. Marcilio

Mentoria & Inovação em Marketing

pedrotcv@hotmail.com

 

The following two tabs change content below.
Graziele Silva

Graziele Silva

Graduanda em Ciências dos Alimentos na ESALQ/USP. Descobrindo as conexões entre Marketing e Alimentos. Acredita que o conteúdo vai unir todas as pontas sem nó do Universo.
Graziele Silva

Graziele Silva

Graduanda em Ciências dos Alimentos na ESALQ/USP. Descobrindo as conexões entre Marketing e Alimentos. Acredita que o conteúdo vai unir todas as pontas sem nó do Universo.

Deixe uma resposta