Macroambiente de Marketing no Agronegócio – Parte 2

Dando continuidade ao post anterior sobre Macroambiente de Marketing no Agronegócio, abordaremos sobre o estudo dos processos e das atividades de marketing, relacionadas às instituições ou empresas que são resultados de uma perspectiva ampla, incluindo aspectos culturais, políticos legais, sociais, demográficos, religiosos, tecnológico bem como as interações econômicas. Esta investigação caracteriza as análises do macroambiente de marketing em um contexto maior da própria empresa.

As Questões legais e regulamentares possuem ligação íntima com as análises das tendências do ambiente político legal. As inseguranças legais e regulamentares são particularmente perturbadora para os investidores e empresas brasileiras de alguns setores. Vivemos recentemente um risco regulatório relacionado com as discussões do código florestal. Agora estamos discutindo a sistemática de proteção da cadeia do agronegócio quanto a contratos, armazenagens, seguros e investimentos estrangeiros. Porém, este ambiente no agronegócio vem evoluindo no Brasil.

No ambiente político-legal é necessário estar atento a todas as leis e legislação que regulamentam a atividade de marketing do setor. Nesse campo concentram-se todas as discussões éticas e de responsabilidade com o mercado. Nosso maior desafio deste campo de competição será o de desenvolver análises para as políticas públicas e uma agenda de sustentabilidade para o Agronegócio.

O ambiente econômico está toda a análise da força da economia do mercado analisado, influenciando diretamente o que os consumidores podem dispor para decidir o que e quando comprar. Ou seja, as condições econômicas influenciam diretamente o poder de compra de uma determinada população e as condições de determinadas empresas em atender os desejos e necessidades de grupo de consumidores. Importante ressaltar que as políticas de segurança alimentar de diversos países do planeta podem influenciar diretamente indicadores econômicos do agronegócio.

Quanto ao ambiente tecnológico discute-se a capacidade de aplicação de conhecimentos científicos em determinados mercados e as companhias ali instaladas. A tecnologia vem impulsionando a abertura de novas empresas e estimulando novas indústrias. Estimulou a abertura do cerrado brasileiro e a possibilidade de se produzir duas ou três safras ao ano.

As tendências sócioculturais nos negócios é modelado pela relação entre marketing, sociedade e sua cultura. Violar esta relação de forma negligenciada pode proporcionar um desequilíbrio ético e de responsabilidade social. Nenhum empresário pode iniciar uma estratégia sem levar em conta as normas, os valores, a cultura e o crescimento da sociedade [[1]]. Influências socioculturais causam mudanças nas atitudes, nas crenças, nas normas, costumes e estilo de vida dos consumidores por influenciar o que, onde, como, quando e por quê os consumidores compram os produtos e serviços de uma empresa.
Em função do ambiente competitivo e através das análises de oportunidades, necessidades e ameaças, os profissionais de marketing conseguem desenvolver uma estratégia competitiva num determinado mercado estabelecido pela empresa.

[1](BOONE & KURTZ, 1998, p. 75)

Autor do artigo: Caetano Haberli – Consultor do MarkEsalq

Deixe uma resposta